Quinta-feira, 28 de Maio de 2009

NA CASA DE PAUL AUSTER E SIRI HUSTVEDT

Os escritores Paul Auster e Siri Hustvedt captam a alma e a psique da América nos seus romances. Ambos falaram, na casa deles, no Brooklyn, com o jornalista John Freeman sobre vida familiar, literatura, arte, psicologia e Elegia para um Americano e Homem na Escuridão, entre outros temas, num artigo que foi publicado em diversos jornais, um pouco por todo o mundo.

Para ler aqui.


publicado por Miguel Seara às 15:30
link da entrada | comentar | favorito
Quarta-feira, 27 de Maio de 2009

ENTREVISTA COM SIRI HUSTVEDT

Siri Hustvedt, uma das metades do mais famoso casal literário de Nova Iorque deu uma entrevista, em sua casa, à jornalista Rachel Cooke, do The Observer. Nesta peça imperdível, a escritora fala do seu casamento com Paul Auster, da sua família, de como foi crescer numa pequena cidade do interior da América, de Elegia para um Americano e afirma que ainda se sente como uma outsider, apesar do seu sucesso literário. "Houve momentos em que sentia que as pessoas me atropelavam para chegar ao grande homem; ficava com marcas no corpo", admitiu Siri Hustvedt.

Leia o artigo na íntegra aqui.


publicado por Miguel Seara às 16:34
link da entrada | comentar | favorito
Terça-feira, 26 de Maio de 2009

SESSÃO DE LANÇAMENTO DE ELEGIA PARA UM AMERICANO NA FNAC CHIADO

 

A sessão de lançamento de Elegia para um Americano, de Siri Hustvedt, vai ter lugar na Fnac Chiado, no dia 2 de Junho, às 18h30. O evento contará com a participação da escritora norte-americana e a apresentação ficará a cargo de Pedro Mexia.


publicado por Miguel Seara às 15:22
link da entrada | comentar | favorito
Segunda-feira, 25 de Maio de 2009

MUITOS SEGREDOS POR REVELAR – A CRÍTICA DO JORNAL DE NEGÓCIOS

O novo romance de Siri Hustvedt é, mais uma vez, sobre os segredos labirínticos que as pessoas escondem

 

Na sombra de Paul Auster (apenas porque é casada com ele) vislumbra-se uma grande novelista; Siri Hustvedt. Apesar dela navegar por mares percorridos por outros (a memória, os segredos que os mortos esconderam, os artistas alucinados), ela tornou-se uma verdadeira mestre nestes labirintos insondáveis. É esse mundo misterioso que voltamos a encontrar neste Elegia para um Americano.

 

Leia o resto da crítica de Fernando Sobral a Elegia para um Americano, de Siri Hustvedt, publicada no suplemento Weekend, do Jornal de Negócios, no dia 22 de Maio, aqui.


publicado por Miguel Seara às 10:59
link da entrada | comentar | favorito
Sexta-feira, 22 de Maio de 2009

GUIA DE CRÍTICAS A ELEGIA PARA UM AMERICANO

Estados Unidos
The Washington Post
The New York Times
Chicago Tribune
The Boston Globe
Los Angeles Times
San Francisco Chronicle
Pittsburgh Post-Gazette
StarTribune
The Village Voice
National Public Radio

 

Reino Unido
The Guardian
The Observer
The Independent
The Times
The Sunday Times
Daily Telegraph
The Economist
The Bookseller
Scotland on Sunday 

 

Austrália
The Age
The Sydney Morning Herald
The Australian

 

Espanha
El País
ABC
El Periódico 

 

França
Le Fígaro
Lire
L’Express


publicado por Miguel Seara às 16:12
link da entrada | comentar | favorito
Terça-feira, 19 de Maio de 2009

LEIA AS PRIMEIRAS PÁGINAS DE ELEGIA PARA UM AMERICANO

 

A minha irmã chamou-lhe «o ano dos segredos», mas olhando agora para trás, acabei por perceber que foi um tempo não do que havia, mas do que não havia. Uma vez um paciente meu disse-me: «Há fantasmas a passear dentro de mim, mas nem sempre falam. Às vezes não têm nada para dizer.» Sarah pestanejava, ou mantinha os olhos quase sempre fechados porque tinha medo que a luz a cegasse. Suponho que todos temos fantasmas dentro de nós, e é preferível que falem do que não o façam. Depois de o meu pai morrer nunca mais pude falar-lhe pessoalmente, mas não deixei de ter conversas com ele na minha cabeça. Não deixei de o ver nos meus sonhos nem de ouvir as suas palavras. Ainda assim, foi o que o meu pai não disse que durante uns tempos tomou conta da minha vida – o que não nos disse. Acabou por não ser a única pessoa a ter segredos. A seis de Janeiro, quatro dias depois do funeral, Inga e eu demos por acaso com a carta no seu escritório.

 

Tínhamos ficado no Minnesota com a nossa mãe para darmos início à tarefa de ordenar a papelada. Sabíamos que havia um caderno de memórias dos últimos anos, também uma caixa com as cartas que tinha enviado à família – muitas delas dos anos de soldado no Pacífico, durante a Segunda Guerra Mundial – mas havia naquele quarto outras coisas que nunca tínhamos visto. O escritório do meu pai tinha um cheiro particular, ligeiramente diferente do resto da casa. Pergunto-me se todos os cigarros que fumava e os cafés que bebia e os anéis que aquelas inúmeras canecas deixaram em cima da mesa ao longo de quarenta anos terão actuado sobre a atmosfera daquele compartimento de modo a produzir o odor inconfundível que senti logo ao transpor a porta. Agora a casa já foi vendida. Comprou-a um dentista, que lhe fez grandes remodelações, mas eu ainda consigo ver o escritório do meu pai com a sua parede de livros, o arquivo dos ficheiros, a mesa comprida que ele próprio construíra, com o organizador de plástico em cima, que, apesar da sua transparência, tinha em cada gaveta minúsculas etiquetas escritas à mão – «Clipes», «Pilhas do Aparelho Auditivo», «Chaves da Garagem», «Borrachas».

 

No dia em que eu e Inga deitámos mãos à obra, o tempo lá fora estava carregado. Pela ampla janela, eu observava a fina camada de neve sob um céu cor de chumbo. Conseguia sentir Inga atrás de mim e ouvir-lhe a respiração. Marit, a nossa mãe, dormia, e Sonia, a minha sobrinha, aconchegara-se num canto qualquer da casa com um livro. Ao abrir uma gaveta do arquivo de ficheiros, surgiu-me abruptamente a ideia de que estávamos prestes a espoliar a mente de um homem, a desmantelar uma vida inteira, e inadvertidamente veio-me à memória a imagem do cadáver que dissequei na Faculdade de Medicina, com a caixa torácica aberta, ali, em cima da mesa. Roger Abbot, um dos meus colegas de laboratório, chamara-lhe Tweedledum, Dum Dum, ou só Dum. «Erik, olha-me só para o ventrículo do Dum. Hipertrofia, meu.» Por um instante imaginei o pulmão desfeito que o meu pai tinha dentro dele, e depois lembrei-me da sua mão a apertar a minha com força antes de eu sair do minúsculo quarto do lar na última vez em que o vi com vida. De imediato, senti um alívio por ele ter sido cremado.

 

Continue a ler Elegia para um Americano, de Siri Hustvedt, aqui.


publicado por Miguel Seara às 14:26
link da entrada | comentar | favorito
Segunda-feira, 18 de Maio de 2009

PAUL AUSTER FALA PARA A GRANTA SOBRE INVISÍVEL, O SEU NOVO ROMANCE

A próxima edição da Granta inclui um excerto de Invisível, o novo romance de Paul Auster, a ser editado este ano. Nesta entrevista exclusiva para a Granta, o escritor norte-americano fala sobre a intimidade emocional e os exercícios intertextuais da sua ficção, da intensidade da juventude e do processo de escrita.


publicado por Miguel Seara às 10:20
link da entrada | comentar | favorito
Sexta-feira, 15 de Maio de 2009

PAUL AUSTER E JANE AUSTEN SÃO OS ESCRITORES MAIS CITADOS PELOS BLOGGERS FRANCESES

Paul Auster e Jane Austen são os escritores de quem se fala mais nos blogues literários franceses. Mais informações aqui.

Marcadores:

publicado por Miguel Seara às 11:45
link da entrada | comentar | favorito
Quarta-feira, 13 de Maio de 2009

SIRI HUSTVEDT EM PORTUGAL

Siri Hustvedt vai estar em Portugal, de 31 de Maio a 2 de Junho, para a apresentação de Elegia para um Americano, o seu mais recente romance.


publicado por Miguel Seara às 14:17
link da entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 12 de Maio de 2009

ELEGIA PARA UM AMERICANO

 

Ao tentarem pôr ordem na casa do pai recém-falecido, Eric e a irmã, Inga, descobrem um bilhete de uma mulher desconhecida. Algo no teor desse bilhete indicia que um segredo do passado continuava a atormentar Lars. Erik vê na solução desse enigma o derradeiro acto de aproximação a um homem que nunca compreendeu, mas tanto a vida dele como a de Inga estão a atravessar fases muito complicadas. Inga, viúva de um escritor famoso, está disposta a tudo para defender a reputação do marido e reaproximar-se da filha, Sonia, terrivelmente marcada pela memória dos atentados do 11 de Setembro. Por seu lado, Erik materializa a sua própria solidão num mantra espontâneo que o embaraça mas em relação ao qual nada pode – “Sinto-me tão só”, repete ele, mas poderiam ser todas as personagens desta Elegia a dizê-lo; nova-iorquinos solitários, perdidos no frenesim da grande metrópole, entregues aos seus segredos, memórias e sonhos, incapazes de qualquer acto de reconforto.

 

Um romance sobre pais e filhos, sobre a capacidade de ouvir e a opção de ignorar; a dor inerente ao acto de falar mas também ao silêncio; as ambiguidades da memória, a solidão, a doença e a redescoberta. No seu estilo delicado e comovente, Siri Hustvedt revela as mágoas secretas de uma família através de um extraordinário mosaico de segredos e histórias que reflectem a fragmentada natureza da identidade.


publicado por Miguel Seara às 14:59
link da entrada | comentar | favorito

pesquisar

 




































































































arquivos

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Marcadores

todas as tags

links

Leitores

SAPO Blogs

subscrever feeds