Quinta-feira, 23 de Julho de 2009

61 LIVROS PÓS-MODERNOS ESSENCIAIS

A Trilogia de Nova Iorque, de Paul Auster, foi considerado pelo Los Angeles Times como um dos 61 livros essenciais da literatura pós-moderna.

Podem consultar a lista completa aqui.

(Via Senhor Palomar e Bibliofilmes)


publicado por Miguel Seara às 17:25
link da entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 20 de Julho de 2009

ESPECIAL SIRI HUSTVEDT, POR AUSTERIANA

Em resposta a um repto lançado há algum tempo no Twitter, o blogue Bichocarpinteiro, mantido por Austeriana, tem analisado a vida e obra de Siri Hustvedt e, em particular, Elegia para um Americano.

Quais são as influências de Paul Auster na obra de Siri Hustvedt? Quais são os pontos em comum? O que os distingue e separa profundamente?

Saiba as repostas a estas perguntas e mais aqui, aqui e aqui.


publicado por Miguel Seara às 15:10
link da entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 15 de Julho de 2009

NOVA IORQUE – METRÓPOLE INESGOTÁVEL QUE NUNCA SE REVELA

Nova Iorque é a cidade a que todos já foram, mesmo (ou sobretudo?) os que nunca lá puseram os pés. Entre a urbe real – reduto supremo da desumanidade, asseguram os seus detractores – e a imaginária, que nos chega através das obras de um número quase infindável de criadores, é irrelevante saber onde reside a verdade, pois todas essas visões apenas contribuem para o fascínio que rodeia a capital não oficiosa do planeta.

Italo Calvino não estaria certamente a pensar em Nova Iorque quando escreveu As cidades invisíveis, mas há algo nos seus traços oníricos e impossíveis que nos remete para as urbes descritas por Marco Polo ao embevecido Kublai Khan. Mas a cidade para onde confluíram gentes de todas as paragens é muito mais do que o local onde brotam arranha-céus dos mais improváveis sítios, como nos asseguram cineastas, músicos, escritores e artistas plásticos de todas as nacionalidades.

Mesmo com todas as incursões artísticas de que tem sido alvo ao longo das décadas – sobretudo após o 11 de Setembro, que deu azo a dezenas de obras de pendor sociológico, quase todas falhadas –, Nova Iorque permanece um mistério. São os que nela habitam desde sempre os primeiros a traduzir a impossibilidade de acedermos ao seu núcleo mais restrito.

É o caso de Paul Auster. Nascido na vizinha Newark, o romancista elege Nova Iorque, com frequência inusitada, como protagonista dos seus livros – de A trilogia de Nova Iorque ao mais recente As loucuras de Brooklyn – e nem por isso sente ter esgotado o tema.

O mesmo acontece com Woody Allen, que, após ter filmado nos últimos anos em Londres e Barcelona, já anunciou o regresso à sua cidade.

Labiríntica e misteriosa, a Nova Iorque de Paul Auster que nos é revelada no seu mais emblemático livro não terá a fotogenia de qualquer guia de viagem, mas, em compensação, é muito mais estimulante.


Artigo da autoria de Sérgio Almeida, publicado no Jornal de Notícias, no dia 15 de Julho.


publicado por Miguel Seara às 10:40
link da entrada | comentar | favorito
Sexta-feira, 10 de Julho de 2009

HOMENAGEM – A CRÍTICA DA REVISTA OS MEUS LIVROS A ELEGIA PARA UM AMERICANO

 

Com quatro romances e três ensaios publicados, Siri Hustvedt faz, de alguma forma, agora uma fusão entre os dois géneros. Pelos agradecimentos finais, o leitor fica a saber que a autora cita as memórias do pai, Lloyd Hustvedt, usando trechos de escritos seus como se fossem os do falecido Lars Davidsen, imigrante norueguês radicado no Minnesota e pai do casal que protagoniza esta Elegia– uma alusão real à história de Siri.

Erik é psiquiatra e Inga uma intelectual formada em filosofia, viúva recente do famoso escritor e cineasta Max Blaustein. O passado dos mortos inquieta os vivos enlutados e espoleta neles a vontade de desvendar segredos e preencher omissões numa investigação que atravessa a rotina pessoal e profissional das personagens. Curiosamente, importa mais à narrativa o caminho que os irmãos percorrem para encontrar respostas para as suas interrogações do que as revelações propriamente ditas que o passado encerra. Não espere, por isso, encontrar surpresas que o deixem boquiaberto. Espere, isso sim, uma escrita ponderada, emoções contidas, reflexões interessantes, personagens cativantes e uma vertente de ensaio, sobretudo nas passagens em que Erik contracena com os pacientes – apaixonante para os curiosos da psiquiatria e da neurociência; desmotivante para quem não considera o tema apelativo.

 

Crítica a Elegia para um Americano, de Siri Hustvedt, da autoria de Ana Morgado, publicada na revista Os Meus Livros de Julho.


publicado por Miguel Seara às 11:03
link da entrada | comentar | favorito
Quarta-feira, 8 de Julho de 2009

LAUREL E HARDY VÃO PARA O CÉU

Laurel e Hardy Vão para o Céu, de Paul Auster, com encenação de Rui Braz e interpretação de Paulo Cintrão e Ricardo Soares, estreia amanhã no Floresta Center, na Tapada das Mercês. A peça, escrita por Paul Auster durante os anos retratados em Da Mão para a Boca, vai estar em exibição das quintas aos sábados, pelas 22.00, até ao dia 1 de Agosto.

 

Sinopse

Laurel e Hardy constroem muros. Hoje, amanhã e no dia depois de amanhã. Laurel e Hardy constroem muros. É o que fazem. É o que são.

Não conhecem a finalidade da obra. Não conhecem o mandante da obra. Estão sós num espaço inóspito e desconhecido, tendo por guia apenas um livro de instruções que procuram seguir à risca, receando ser castigados. Conseguirão concluir a tarefa?

Laurel e Hardy Vão para o Céu é uma de três peças de teatro escritas por Paul Auster nos anos 70, num tempo em que o agora famoso romancista lutava para sobreviver dos parcos rendimentos obtidos com a actividade como escritor profissional. A estreia – um retumbante fracasso, segundo o próprio autor – teve lugar em 1977, num estúdio da Rua 69 em Nova Iorque, onde sete anos antes Mark Rothko, o artista plástico, se suicidara.

Laurel e Hardy Vão para o Céu é uma comédia amarga sobre a perda de identidade do homem contemporâneo face ao mundo globalizado e desumanizado que o rodeia, que carrega a forte influência, por um lado, de À Espera de Godot, de Samuel Beckett e, por outro, das comédias burlescas de Stan Laurel e Oliver Hardy – conhecidos em Portugal como Bucha e Estica –, que marcaram Hollywood nos anos 30.

 

Mais informações em www.utopiateatro.com.


publicado por Miguel Seara às 11:10
link da entrada | comentar | favorito
Segunda-feira, 6 de Julho de 2009

DEZ DESTINOS, DEZ LIVROS – A CIDADE DE VIDRO

 

Escolher um livro onde Nova Iorque assuma um papel essencial é tarefa ingrata. Henry James, Rex Stout ou John dos Passos não perdoariam a preterência, mas a sugestão é Cidade de Vidro, adaptação para banda desenhada de uma das novelas de A Trilogia de Nova Iorque, de Paul Auster.

Sem nenhum dos tiques que costumam manchar as adaptações para BD, frequentemente redundâncias que se limitam a “contar aos quadradinhos” o que havia sido escrito, Karasik e Mazzucchelli, com a colaboração do próprio Paul Auster, criam uma obra que coloca a exploração das formalidades da linguagem da BD ao serviço de uma narrativa que tem a cidade como elemento axial.

A partir de um texto que vive da fragmentação narrativa, das histórias cruzadas e das indagações em torno da linguagem, Cidade de Vidro adopta uma abordagem gráfica receptiva à experimentação, à utilização de outras linguagens (como a infografia) e a uma incansável procura de soluções. O resultado transforma o labirinto verbal e narrativo de Auster numa exigente sequência de imagens onde a cidade se desdobra em reflexos enganadores, dédalos de ruas que passam do mapa para o cérebro das personagens e ilusões que cruzam o verbal e o visual. Não será a Grande Maçã dos bilhetes-postais, mas fará de qualquer viagem um mapa de interrogações sobre o que se vê.

 

Excerto do artigo “Dez Destinos, Dez Livros”, publicado na revista Os Meus Livros de Julho.


publicado por Miguel Seara às 14:18
link da entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito

pesquisar

 




































































































arquivos

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Marcadores

todas as tags

links

Leitores

blogs SAPO

subscrever feeds