Segunda-feira, 30 de Novembro de 2009

INVISÍVEL – A CRÍTICA DO EXPRESSO

 

 

Nos romances de Paul Auster, as histórias são como caixas chinesas ou matrioscas russas que não apenas se encaixam sucessivamente como nascem umas das outras, multiplicando-se. Elas são mistérios, enigmas, desafios sempre inquietos, à procura de alguma solução em aberto. Diz quem o conhece que Auster frui e percepciona a vida com deleite e com uma pitada de distanciamento nas narinas, sempre a farejar o (im)previsível movimento das pessoas e das coisas. E que depois escreve. Os seus livros, artigos, críticas e até argumentos para o cinema são de uma (quase) absoluta precisão: cirúrgicos, inteligentes, pertinentes, quase oculares. As suas ficções constituem um misto de realismo e fantasia, teia de coincidências, ordem secreta do acaso e evocação biográfica respigada de memória (ingredientes para uma boa história), com fugidio aroma a Cortázar e a Beckett. Obra de referência da literatura pós-moderna, a sua Trilogia de Nova Iorque é, nesta medida, exemplar. Também este seu 15.º romance, um dos seus melhores, não escapa a este jogo de espelhos, ao caleidoscópio existencial e sensorial de Auster, em que o destino é uma espécie de partitura que cada um vai escrevendo e interpretando. Trata-se, pois, de uma narrativa de percurso intencionalmente serpenteante, com quatro partes entrecruzadas, que tem como ponto de partida Nova Iorque, na Primavera de 1967 – ano de crescente oposição à guerra do Vietname, de rescaldo do assassínio de Kennedy e do melhor rock psicadélico. Durante uma festa, Adam Walker, de 20 anos, um tímido aspirante a poeta, conhece o professor Rudolf Born, charmoso, manipulador, temível, e a sua enigmática e sedutora companheira, Margot, um casal francês pouco convencional. Deste encontro emerge um triângulo amoroso que viajará pelas fronteiras circulares, e quantas vezes crepusculares, do tempo, do sexo, da verdade e da identidade. E , claro, do sofrimento e da morte. Uma never ending story ao melhor estilo de Paul Auster, em que cada história tem sempre uma porta que se abre para outra história.

 

Crítica de Vítor Quelhas a Invisível, de Paul Auster, publicada no sábado, no suplemento Actual, do Expresso.


publicado por Miguel Seara às 12:44
link da entrada | comentar | favorito

INVISÍVEL CONSIDERADO UM DOS MELHORES LIVROS DO ANO PELO THE NEW YORK TIMES

 

 

Invisível, de Paul Auster, foi considerado pelo The New York Times como um dos 100 melhores livros de 2009. Pode consultar a lista completa aqui e recordar a crítica do NYT, em que considera Invisível como o "melhor romance jamais escrito por Paul Auster", aqui.

 


publicado por Miguel Seara às 12:30
link da entrada | comentar | favorito

INVISÍVEL – A CRÍTICA DO THE SAN DIEGO UNION-TRIBUNE

 

 

O título tem uma pequena subtileza, atraindo a nossa atenção para o modo como o Mal pode permanecer facilmente invisível; e o amor também. O lugar deles no mundo é completamente individual, dependendo de quem está a reconhecer a sua presença – ou não. A vida não é apenas uma espécie de comédia divina, mas há um espaço para a bondade no mundo do dia-a-dia. E este romance maravilhosamente estruturado afirma precisamente isso.

 

Pode ler a crítica do The San Diego Union-Tribune, publicada no domingo, a Invisível, de Paul Auster, aqui.


publicado por Miguel Seara às 11:22
link da entrada | comentar | favorito

INVISÍVEL – A CRÍTICA DO THE SEATTLE TIMES

 

 

Um livro de Paul Auster é como um livro de leitura compulsiva à moda antiga que levamos para todo o lado para o podermos ler a toda a hora. Mas, apesar de nos podermos perder no mundo de Auster, a experiência também consegue ser perturbante. E isso faz parte do seu enorme apelo como escritor e constitui a base do seu estatuto único na ficção americana.

 

Auster nunca esteve tão bem, exercendo um controlo fascinante sobre a sua escrita. Em Invisível, tal como em outros dos seus romances, Auster desafia a própria natureza da ficção, apresentando mundos imaginários alternativos, qualquer um deles podendo ser considerado "real". Isto é uma espécie diferente de omnisciência; as suas personagens e as suas histórias são inteiramente plausíveis apesar do leitor ser mantido muitas vezes na ignorância, cedendo a claridade por uma verdade mais profunda: Nós nunca sabemos realmente o que vai na mente das outras pessoas.

 

Pode ler a crítica do The Seattle Times, publicada no domingo, a Invisível, de Paul Auster, aqui.


publicado por Miguel Seara às 10:57
link da entrada | comentar | favorito

INVISÍVEL – A CRÍTICA DO THE OBSERVER

 

 

Pode ler a crítica do The Observer, publicada no sábado, a Invisível, de Paul Auster, aqui.

 


publicado por Miguel Seara às 10:35
link da entrada | comentar | favorito
Quinta-feira, 26 de Novembro de 2009

"TALVEZ A VERDADE SEJA INVISÍVEL" – ENTREVISTA DE PAUL AUSTER AO LA VANGUARDIA

 

 

Pode ler a entrevista com "Paul Auster no seu ambiente, em Brooklyn, o seu lugar natural", publicada hoje no La Vanguardia, a propósito do lancamento da edição espanhola e catalã de Invisível, aqui.

 


publicado por Miguel Seara às 16:55
link da entrada | comentar | favorito
Quarta-feira, 25 de Novembro de 2009

PAUL AUSTER GOSTA DE RAPARIGAS FRANCESAS A ANDAR DE BICICLETA – ENTREVISTA À NEW YORK MAGAZINE

 

© Alicia Huerta Cortez-Newscom

 

Tenho de confessar que acho muito erótica a imagem de raparigas a andar de bicicleta. Mesmo em Nova Iorque, há imensas raparigas atraentes a pedalar de um lado para o outro. Acaba por ser uma das melhores vistas da nossa cidade, ver uma rapariga numa bicicleta.


Pode ler a entrevista de Paul Auster à New York Magazine aqui.

 


publicado por Miguel Seara às 10:31
link da entrada | comentar | favorito
Terça-feira, 24 de Novembro de 2009

INVISÍVEL – A CRÍTICA DO THE WASHINGTON POST

 

 

Os prazeres encontrados lá dentro valem bem o esforço necessário para os desvendar.

 

Pode ler a crítica do The Washington Post, publicada hoje, a Invisível, de Paul Auster, aqui.

 


publicado por Miguel Seara às 10:23
link da entrada | comentar | favorito
Segunda-feira, 23 de Novembro de 2009

“NO LIMITE DA JUSTIÇA” – A CRÍTICA DA NOTÍCIAS MAGAZINE

 

Há algo que certamente explica o fascínio que toda a gente tem por Paul Auster. É que o autor norte-americano escreve sobre personagens que procuram a redenção mas, em vez de as resolver pela escrita, exonera-as pela história – normalmente trágica. Invisível, o seu último romance, não é seguramente uma excepção e no entanto é um dos livros que mais apelam à tolerância do leitor. Formalmente, Auster é impecável e conseguiu reinventar-se: no centro do livro está um manuscrito incompleto e é exactamente dessa maneira que ele é apresentado. Mas, na essência, aceitar as decisões do protagonista é mais difícil. Consentir o comportamento de Adam Walker, o herói de Invisível, é um risco. Mas, no limite, funciona. E isso só pode querer dizer que Paul Auster tem direito ao aplauso.

 

Crítica da autoria de Ricardo J. Rodrigues a Invisível, de Paul Auster, publicada ontem na Notícias Magazine.


publicado por Miguel Seara às 14:31
link da entrada | comentar | favorito

INVISÍVEL – A CRÍTICA DO LA TIMES E DO CHICAGO TRIBUNE

 

Folheie os romances de Paul Auster e verá um constante sentimento de irrealidade a impor-se. A sua oeuvre está repleta de escritores, que criam personagens apenas para sofrer confusões de identidade com elas. A sua obra retorna sempre para temas referentes ao carácter elusivo da natureza humana e da insuficiência da linguagem para investigar esta questão (ou até mesmo para registar fielmente a experiência).

 

 

Pode ler as críticas do LA Times e do Chicago Tribune, publicadas ontem, a Invisível, de Paul Auster, aqui e aqui.

 


publicado por Miguel Seara às 14:31
link da entrada | comentar | favorito

pesquisar

 




































































































arquivos

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Marcadores

todas as tags

links

Leitores

SAPO Blogs

subscrever feeds