Terça-feira, 4 de Setembro de 2012

MAPA DE ESCRITA DE PAUL AUSTER – ARTIGO COMPLETO PUBLICADO NO SUPLEMENTO IPSÍLON, DO PÚBLICO

 

 

 

(Clique nas imagens para aumentar)


publicado por Miguel Seara às 11:06
link da entrada | comentar | favorito
Quarta-feira, 25 de Janeiro de 2012

CADERNO AZUL IMORTALIZADO POR PAUL AUSTER ESTÁ DE VOLTA

O histórico caderno azul da Firmo está de volta. Imortalizado por Paul Auster em A Noite do Oráculo, o Blue Note ressurge mais moderno, mas mantendo a imagem clássica que o celebrizou, e será relançado na Paperworld, que decorre em Frankfurt,  na Alemanha, de 28 a 31 de janeiro

 “A origem do Blue Note remonta aos cadernos comerciais tradicionais: livros de atas, livros de contabilidade, livro de contas a receber, etc., que ainda hoje continuam a ser comercializados com o mesmo aspeto visual e a ter uma procura razoável, nomeadamente por parte das empresas”, disse Rui Carvalho, administrador executivo da Firmo e neto do fundador da empresa, ao site Praça.


publicado por Miguel Seara às 11:14
link da entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 6 de Outubro de 2009

"THE WORLD IS IN MY HEAD. MY BODY IS MY WORLD" – ANÁLISE À OBRA DE PAUL AUSTER

 

 

Foi recentemente publicado no México uma análise da obra narrativa e ensaística de Paul Auster, da autoria da escritora Ivonne Saed, intitulada Paul Auster: autoría, distopía y textualidad.

 

Segundo a autora, a obra de Paul Auster centra-se em três aspectos: o conceito de autoria e a sua relação com a solidão; a distopia da esperança e a utopia ultrapassada; e a cidade como metáfora do Génesis e elemento indispensável da narrativa de Auster.

 

Para abordar estes temas, Ivonne Saed examinou principalmente os três romances que, em seu entender, melhor englobam as preocupações do autor com o presente.

 

Em Inventar a Solidão, Auster parte de uma fotografia para desconstruir a memória e o duelo perante a morte por intermédio da reescrita do eu.

 

Em No País das Últimas Coisas, a acção passa-se num espaço distópico que ultrapassa os mitos conhecidos de cidades apocalípticas.

 

E, finalmente, Cidade de Vidro, na qual pega no mito babilónico para falar de memória e do duelo como geradores de vida, assim como desse grande texto por decifrar que é a cidade como conceito.

 

Uma constante da narrativa de Auster é o facto de, desde as primeiras linhas, o leitor ficar entrelaçado num enredo que, no entanto, ainda está por contar. E com algumas palavras, antecipa um desenlace.

 

Ivonne Saed tem vindo a realçar, desde há alguns anos, em artigos publicados no México, que a premissa fundamental do trabalho criativo de Paul Auster se pode resumir a uma frase que o próprio escreveu quando tinha dezanove anos: “The world is in my head. My body is in the world.”

 

A obra de ficção de Paul Auster não pode ser estudada sem se analisar pormenorizadamente os seus ensaios, escritos segundo as mesmas chaves narrativas dos seus romances: Homem na Escuridão, Leviathan, A Música do Acaso, Mr. Vertigo e A Noite do Oráculo, entre outros.

 

Para o escritor norte-americano, escrever é um exercício necessário para unir os fios de coincidências que inundam o quotidiano. A sua condição de autor não pode ser separada da do ser humano comum.

 

As suas obsessões literárias andam à volta do acaso, da memória, Nova Iorque como cidade babilónica, mas também da necessidade de comer para escrever e escrever para comer.

 

(Texto escrito a partir de um artigo publicado no El Universal)


publicado por Miguel Seara às 17:06
link da entrada | comentar | ver comentários (4) | favorito
Segunda-feira, 14 de Setembro de 2009

OS ACASOS DA VIDA

 

Leia a crítica de Fernando Sobral a A Noite do Oráculo, de Paul Auster, publicada em 2004 no Jornal de Negócios, aqui.


publicado por Miguel Seara às 17:46
link da entrada | comentar | favorito
Segunda-feira, 7 de Setembro de 2009

O ACASO, DE NOVO

 

Leia a crítica de Joel Neto a A Noite do Oráculo, de Paul Auster, publicada em 2004 na Grande Reportagem, aqui.


publicado por Miguel Seara às 10:32
link da entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 4 de Setembro de 2009

PORTUGAL BESTIAL

Leia a crítica de Isabel Lucas a A Noite do Oráculo, de Paul Auster, publicada em 2004 no Diário Económico, aqui.


publicado por Miguel Seara às 11:33
link da entrada | comentar | favorito
Quinta-feira, 3 de Setembro de 2009

O ENIGMA DO CADERNO AZUL

 

Leia a crítica de António Carvalho a A Noite do Oráculo, de Paul Auster, publicada em 2004 no Diário de Notícias, aqui.


publicado por Miguel Seara às 15:23
link da entrada | comentar | favorito
Quarta-feira, 2 de Setembro de 2009

O MISTERIOSO SENHOR AUSTER

 

Leia a crítica de Paula Macedo a A Noite do Oráculo, de Paul Auster, publicada em 2004 em A Capital, aqui.

 


publicado por Miguel Seara às 15:02
link da entrada | comentar | favorito
Sexta-feira, 28 de Agosto de 2009

A NOITE DO ORÁCULO

 

No dia 18 de Setembro de 1982, o escritor Sidney Orr entra numa papelaria de Brooklyn e compra um bloco de notas azul de fabrico português. Nos nove dias que se seguem, Sidney vai viver sob a influência do livro em branco, preso num universo de arrepiantes premonições e de acontecimentos desconcertantes, que ameaçam destruir o seu casamento e minar a sua confiança na realidade.

 

Porque é que a sua mulher começa a comportar-se de uma forma tão desconcertante pouco depois de ele ter começado a escrever no bloco de notas? Porque é que o dono da papelaria encerra precipitadamente o estabelecimento no dia seguinte? Qual é a ligação entre uma lista telefónica polaca, de 1938, e um romance perdido cujo protagonista consegue adivinhar o futuro?

 

Quando é que a animosidade explode e passa a violência? Até que ponto é que o perdão é a derradeira expressão do amor? Dúvidas e incertezas de simples seres humanos, a braços com as múltiplas e nebulosas esferas da vida quotidiana.

 

Romance hipnótico, reflexão sobre a natureza do tempo, e uma viagem pelo labirinto da imaginação de um homem, A Noite do Oráculo é um tour de force narrativo que confirma a reputação do autor como um dos mais arrojados e originais escritores da América dos nossos dias.


publicado por Miguel Seara às 10:04
link da entrada | comentar | favorito

A NOITE DO ORÁCULO – A CRÍTICA

 

A Noite do Oráculo é um triunfo para Auster, consolidando a sua crescente reputação como uma das mais inventivas e originais vozes da América.”

The Seattle Times

 

“Uma pérola para os leitores…”

The Economist

 

“Formidável… Uma obra envolvente e fascinante.”

Spectator

 

“Lê-se de um fôlego. Como se engana Auster quando diz que o mundo não precisa dos seus livros…”

A Capital

 

Auster continua a espantar-nos.”

Diário de Notícias

 

Paul Auster no seu melhor.”

Visão

 

“Uma grande obra… Entre o silêncio, o acaso e as palavras, Auster traça as fronteiras da vida dos seres humanos. E é por isso que é fundamental lê-lo.”

Jornal de Negócios

 


publicado por Miguel Seara às 10:04
link da entrada | comentar | favorito

pesquisar

 




































































































arquivos

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Marcadores

todas as tags

links

Leitores

blogs SAPO

subscrever feeds