Terça-feira, 4 de Setembro de 2012

MAPA DE ESCRITA DE PAUL AUSTER – ARTIGO COMPLETO PUBLICADO NO SUPLEMENTO IPSÍLON, DO PÚBLICO

 

 

 

(Clique nas imagens para aumentar)


publicado por Miguel Seara às 11:06
link da entrada | comentar | favorito
Quinta-feira, 9 de Junho de 2011

RONALDO, O FENOMENO, É FÃ DE PAUL AUSTER

 

Conheça a história da relação do craque brasileiro com os livros aqui.


publicado por Miguel Seara às 16:10
link da entrada | comentar | favorito
Terça-feira, 6 de Outubro de 2009

"THE WORLD IS IN MY HEAD. MY BODY IS MY WORLD" – ANÁLISE À OBRA DE PAUL AUSTER

 

 

Foi recentemente publicado no México uma análise da obra narrativa e ensaística de Paul Auster, da autoria da escritora Ivonne Saed, intitulada Paul Auster: autoría, distopía y textualidad.

 

Segundo a autora, a obra de Paul Auster centra-se em três aspectos: o conceito de autoria e a sua relação com a solidão; a distopia da esperança e a utopia ultrapassada; e a cidade como metáfora do Génesis e elemento indispensável da narrativa de Auster.

 

Para abordar estes temas, Ivonne Saed examinou principalmente os três romances que, em seu entender, melhor englobam as preocupações do autor com o presente.

 

Em Inventar a Solidão, Auster parte de uma fotografia para desconstruir a memória e o duelo perante a morte por intermédio da reescrita do eu.

 

Em No País das Últimas Coisas, a acção passa-se num espaço distópico que ultrapassa os mitos conhecidos de cidades apocalípticas.

 

E, finalmente, Cidade de Vidro, na qual pega no mito babilónico para falar de memória e do duelo como geradores de vida, assim como desse grande texto por decifrar que é a cidade como conceito.

 

Uma constante da narrativa de Auster é o facto de, desde as primeiras linhas, o leitor ficar entrelaçado num enredo que, no entanto, ainda está por contar. E com algumas palavras, antecipa um desenlace.

 

Ivonne Saed tem vindo a realçar, desde há alguns anos, em artigos publicados no México, que a premissa fundamental do trabalho criativo de Paul Auster se pode resumir a uma frase que o próprio escreveu quando tinha dezanove anos: “The world is in my head. My body is in the world.”

 

A obra de ficção de Paul Auster não pode ser estudada sem se analisar pormenorizadamente os seus ensaios, escritos segundo as mesmas chaves narrativas dos seus romances: Homem na Escuridão, Leviathan, A Música do Acaso, Mr. Vertigo e A Noite do Oráculo, entre outros.

 

Para o escritor norte-americano, escrever é um exercício necessário para unir os fios de coincidências que inundam o quotidiano. A sua condição de autor não pode ser separada da do ser humano comum.

 

As suas obsessões literárias andam à volta do acaso, da memória, Nova Iorque como cidade babilónica, mas também da necessidade de comer para escrever e escrever para comer.

 

(Texto escrito a partir de um artigo publicado no El Universal)


publicado por Miguel Seara às 17:06
link da entrada | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quarta-feira, 22 de Abril de 2009

COM PAUL AUSTER, MESMO AS LIMPEZAS DE GAVETA VALEM A PENA

 

Pode ler a crítica da Grande Reportagem a Inventar a Solidão aqui.


publicado por Miguel Seara às 09:45
link da entrada | comentar | favorito
Quarta-feira, 15 de Abril de 2009

INVENTAR A SOLIDÃO – A CRÍTICA NACIONAL

“Há uma geração inteira a tentar escrever como ele – e nenhum outro escritor contemporâneo o conseguiu ainda a este nível.”
Grande Reportagem

 

“Um livro como só Paul Auster podia escrever – experimental mas sempre sentido, capaz de evitar sentimentalismos sem ser sentimentalmente frio.”
Magazine Artes

 

“Um brilhante exercício de auto-análise.”
O Comércio do Porto


publicado por Miguel Seara às 10:32
link da entrada | comentar | favorito

INVENTAR A SOLIDÃO – A CRÍTICA INTERNACIONAL

“Retratos ternos e delicados de vidas e relações.”
The New York Times

 

“Uma brilhante e pouco ortodoxa meditação sobre a paternidade.”
The Guardian

 

“Uma obra extraordinária; debaixo do tom controlado de Paul Auster – literário e cerebral – a paixão e a angústia são primorosamente mediadas.”
The Guardian

 

“(Inventar a Solidão) integra coração e intelecto, sensação e especulação.”
New York Newsday


publicado por Miguel Seara às 10:17
link da entrada | comentar | favorito
Segunda-feira, 30 de Março de 2009

ENTREVISTA COM PAUL AUSTER

© Luca d’Agostino / Phocus Agency

 

Entrevista do Il Manisfesto a Paul Auster. Para ler aqui.

 


publicado por Miguel Seara às 10:45
link da entrada | comentar | favorito
Quinta-feira, 12 de Março de 2009

LEIA AS PRIMEIRAS PÁGINAS DE INVENTAR A SOLIDÃO

Um dia há vida. Um homem, por exemplo, de perfeita saúde, nem sequer velho, nenhuma história de doenças. Tudo está como sempre esteve, como sempre estará. Ele passa de um dia a outro, não se ocupa de outra coisa senão dos seus assuntos, sonha apenas com a vida que tem à sua frente. E então, de súbito, acontece que há morte. Um homem solta um pequeno suspiro, afunda-se na sua cadeira, e é a morte. O carácter súbito desse facto não deixa o menor espaço ao pensamento, não dá à mente a menor hipótese de procurar uma palavra capaz de a confortar. A única coisa com que ficamos é a morte, o irredutível facto da nossa própria mortalidade. A morte depois de uma longa doença, podemos aceitá-la com resignação. Mesmo a morte acidental, podemos imputá-la ao destino. Porém, o facto de um homem morrer sem nenhuma causa evidente, o facto de um homem morrer simplesmente porque é um homem, deixa-nos tão perto da invisível fronteira entre vida e morte que já não sabemos de que lado estamos. A vida converte-se em morte e é como se esta morte sempre tivesse sido dona e senhora desta vida. Morte sem aviso. O que é o mesmo que dizer: a vida pára. E pode parar a qualquer momento.

Leia mais aqui.


publicado por Miguel Seara às 14:26
link da entrada | comentar | favorito
Segunda-feira, 2 de Março de 2009

INVENTAR A SOLIDÃO

 

Num registo íntimo e pessoal, Paul Auster evoca algumas experiências da sua infância, quando as tentativas (e os frequentes fracassos) de relacionamento com o pai marcavam uma rotina familiar difícil, e dedica-se a uma reflexão profunda sobre a sua própria experiência enquanto pai.


Por vezes comovente, outras vezes hilariante, Inventar a Solidão é um mergulho no mundo das emoções genuínas e da sentimentalidade. Há neste livro experiências com as quais todos nos podemos identificar – quer como filhos, quer como pais – e considerações sobre a verdadeira natureza das relações familiares. Um livro sobre a família como só
Auster podia escrever – experimental mas sempre vívido, a um só tempo capaz de evitar o sentimentalismo e a frieza. Uma leitura excelente tanto para a já numerosa legião de seguidores do trabalho de Paul Auster, como para os recém-chegados à sua obra.



publicado por Miguel Seara às 09:03
link da entrada | comentar | favorito
Sexta-feira, 27 de Fevereiro de 2009

EM MARÇO...

 

 

 

 


publicado por Miguel Seara às 10:32
link da entrada | comentar | favorito

pesquisar

 




































































































arquivos

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Maio 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Marcadores

todas as tags

links

Leitores

blogs SAPO

subscrever feeds